Central de Concursos
  • Publicado em 23/05/2011 00h00
Aguardado com muita expectativa, o concurso do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP) é uma ótima opção para quem busca uma oportunidade na carreira pública e possui o níveis médio ou superior. O edital está previsto para sair a partir do mês de setembro. Com o anúncio antecipado da seleção, o órgão possibilita que os interessados iniciem seus estudos. No momento, estão sendo analisadas as propostas das organizadoras. A escolha será isenta de licitação o que agilizará o trâmite para abertura do concurso e será decidida após levantamento de custos para aplicação das provas.

Cargos, nível de escolaridade e número de vagas
Serão oferecidas oportunidades para os cargos de Técnico Judiciário, com exigência é de nível médio; e Analista Judiciário, cuja exigência é de nível superior em qualquer área. O número inicial era de 60 oportunidades, porém o órgão já anunciou um aumento, totalizando 82 vagas distribuídas entre os dois cargos. No entanto, o número ainda pode ser maior, devido ao fato de este ainda ser o resultado preliminar de um levantamento sobre as necessidades de servidores do órgão. Além disso, o concurso ainda pode convocar aprovados remascentes durante a validade da seleção, que geralmente é de dois anos, prorrogáveis por mais dois.

Salários e benefícios
Para os cargos de nível médio, a remuneração será de R$ 4.674,24, para os de nível superior, R$ 7.232,67. Nesses valores já estão inclusos o auxílio alimentação no valor de R$ 621,28.

Último concurso
O último concurso do TRE-SP foi realizado em 2006, quando 152 candidatos foram nomeados para técnico judiciário na área administrativa, diante da oferta inicial de 55 vagas. Para analista na área administrativa foram 43 aprovados, para uma oferta de 13 vagas. Para analista de área judiciária foram 366 nomeados para uma oferta inicial de 17 vagas.

Necessidade de mudança na legislação
A lei vigente diz que para cada cartório são necessários um analista e dois técnicos, os quais atendem juntos a uma demanda de 150 mil pessoas. A descompensação entre o expressivo número de atendimentos e o baixo número de servidores aponta para a necessidade da aprovação de uma nova legislação no Congresso Nacional.
blog

Outras Notícias