Central de Concursos
  • Publicado em 07/03/2014 00h00
data-cke-saved-src="/imagens/noticia/interna200.jpg"Apesar da corrida contra o tempo, o vice-presidente do Sindicato Nacional dos Auditores-Fiscais da Receita Federal (Sindifisco Nacional), Ayrton Eduardo Bastos, afirmou à FOLHA DIRIGIDA que a entidade segue com a intenção de tentar agilizar a divulgação do edital e a realização das provas do concurso para 278 vagas do cargo (ensino superior completo em qualquer área e remuneração inicial de R$15.338,44, incluindo o auxílio-alimentação, de R$373), autorizado no mês passado.
 
Apesar do assunto não ter sido tratado em reunião realizada no último dia 26 com o secretário-adjunto da Receita, Luiz Fernando Teixeira Nunes, o vice-presidente do Sindifisco Nacional garantiu que o sindicato irá realizar um trabalho de bastidores para que seja possível homologar o concurso até 5 de julho, possibilitando, assim, a nomeação dos aprovados ainda este ano. Conforme a legislação eleitoral, em caso de homologação após essa data, as nomeações só poderão acontecer no ano que vem, depois da posse dos eleitos no pleito deste ano. “A Receita tem urgência na contratação dos aprovados”, afirmou Bastos.
 
Como a FOLHA DIRIGIDA já noticiou, a tarefa do sindicato é quase impossível, tendo em vista a complexidade do concurso. Embora o órgão não precise perder tempo com a contratação de uma organizadora – os concursos da Receita são feitos pela Esaf –, na última seleção para auditor, em 2012, foram necessários quatro meses, após a autorização do concurso, para que fossem aplicadas as primeiras provas (objetivas), que, de acordo com o Decreto 6.944/09, só podem ser realizadas 60 dias após a divulgação do edital.
 
Dessa forma, mesmo que o edital seja publicado este mês, as primeiras provas só poderiam acontecer em maio, deixando menos de dois meses para a correção das objetivas, a aplicação e correção das provas discursivas e a realização da sindicância de vida pregressa. Duas hipóteses para a agilizar a conclusão do concurso seriam a redução do intervalo mínimo entre edital e provas (como fez a Polícia Federal em 2012, mediante autorização do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo) ou a aplicação das discursivas na mesma data das objetivas. Mas, certamente, nenhuma delas agradaria aos interessados em participar da seleção. Outra solução seria antecipar a realização da sindicância, que, no último concurso, foi realizada apenas para os aprovados nas provas escritas.
 
Cronograma – Segundo o Ministério da Fazenda informou no fim do mês passado, Receita Federal e Esaf já discutem o cronograma e outros pontos relacionados ao concurso. Entre as definições aguardadas está a do conteúdo programático das provas, que, em 2012, abrangeu Língua Portuguesa, Língua Estrangeira (Espanhol ou Inglês), Raciocínio Lógico-Quantitativo, Direito Civil, Direito Penal, Direito Comercial, Administração Geral, Administração Pública, Direito Constitucional, Direito Administrativo, Direito Tributário, Auditoria, Contabilidade Geral, Contabilidade Avançada, Comércio Internacional e Legislação Aduaneira. O prazo para a divulgação do edital vai até 19 de agosto.
 
Analista – A Receita aguarda ainda a autorização de concurso para o cargo de analista-tributário (mesmo requisito de auditor e inicial de R$9.171,88, também com o auxílio), para o qual foram pedidas ao Ministério do Planejamento 1.600 vagas. O Sindireceita, sindicato que representa os analistas, prometeu esforços pela realização do concurso o mais breve possível, além de brigar pela liberação das 1.600 vagas solicitadas. Para o cargo de auditor, o Planejamento autorizou apenas cerca de 20% das 1.400 vagas pedidas pelo Ministério da Fazenda.
 
Fonte: Folha Dirigida
blog

Outras Notícias