Central de Concursos
  • Publicado em 04/08/2011 00h00
A Central de Concursos, visando garantir os direitos legais dos candidatos à carreira pública, informa que a seleção para o cargo de Oficial de Promotoria I do Ministério Público de São Paulo, conta com possibilidade de recurso para a prova de Língua Portuguesa. A prova, realizada no útimo domingo (31/7), após análise dos professores da Central de Concursos, apresentou a questão 17 como passível de recurso.

No entanto, o prazo para entrar com recurso se esgota hoje (04/08), às 18 horas. Segundo consta no edital de abertura do concurso, o candidato que se sentir lesado deve acessar o site do IBFC (www.ibfc.org.br) e preencher o formulário disponibilizado, imprimir e enviar ao Instituto IBFC. O formulário deve ser enviado via SEDEX ou entregue pessoalmente à organizadora, situada à Av. Dr. José Maciel, 560, Jd. Maria Rosa, Taboão da Serra - SP, CEP: 06763-270, com a indicação "Ref: RECURSO -MP/SP Cargo. O candidato também deve indicar o número da questão e a solução reinvindicada.


Confira abaixo a análise e a justificativa dos professores da Central de Concursos:


RECURSO PROVA OFICIAL DE PROMOTORIA – LÍNGUA PORTUGUESA

A prova do Ministério Público de São Paulo, aplicada em 31.07.2011, para o cargo de Oficial de Promotoria I, de nível médio, apresentou uma questão passível de recurso, a de número 17. A questão apresentou duas frases: 1 - Não se tratam de questões educacionais. 2 - Deve-se avaliar melhor os fatores desenvolvidos. Sobre elas, fez duas considerações: I. O verbo “tratar” deveria estar no singular. II. O verbo “dever” deveria estar no plural. A primeira consideração feita sobre a primeira frase está correta, pois o "se" empregado na oração é índice de indeterminação do sujeito, por isso o verbo deveria mesmo estar no singular. A segunda consideração por sua vez feita sobre a segunda frase está equivocada, pois diz que " o verbo 'dever' deveria estar no plural " e , no entanto, o verbo "dever" poderia estar no plural, já que sua elaboração permite duas interpretações e consequentemente duas concordâncias, de acordo com Domingos Paschoal Cegalla, em Novíssima Gramática da Língua Portuguesa, Companhia Editora Nacional, 43ª ed., pág. 425, a saber:

"Nas locuções verbais formadas com os verbos auxiliares poder e dever , na voz passiva sintética, o verbo auxiliar concordará com o sujeito. Exemplo: Devem-se ler bons livros. [= Devem ser lidos bons livros.] [sujeito: livros; locução verbal: devem-se ler]. Entretanto, pode-se considerar sujeito do verbo principal a oração iniciada pelo infinitivo e , nesse caso, não há locução verbal e o verbo auxiliar concordará no singular. Assim: Deve-se ler bons livros. [sujeito: ler bons livros; predicado: deve-se]. Em síntese: De acordo com a interpretação que se escolher, tanto é lícito usar o verbo auxiliar no singular como no plural. Portanto: Devem-se [ ou Deve-se] ler bons livros. ".

Sendo assim, o mesmo raciocínio ocorre na frase 2 da prova, pode-se fazer as duas concordâncias: Deve-se [ ou Devem-se] avaliar melhor os fatores desenvolvidos. Por esse motivo, o item II da questão 17 está errado, pois o verbo dever não deveria estar no plural, apenas poderia estar no plural, como fica claro pela explicação citada acima. Dessa forma, lembrando que o item I está correto, como já foi ratificado acima, o gabarito deveria ser "a", e não "c".

blog

Cursos

Apostilas

Outras Notícias