• Publicado em 05/03/2014 00h00
data-cke-saved-src="/imagens/noticia/interna182.jpg"Os interessados em prestar os concursos de diretor de escola e supervisor escolar, da Secretaria de Educação do estado de São Paulo, já podem intensificar suas preparações. Isso porque, a previsão é de que os editais sejam publicados até junho deste ano. “Estamos trabalhando para que os dois concursos sejam publicados ainda este semestre”, ressaltou a secretária-adjunta da Educação, Cleide Bauab Eid Bochixio, na última terça-feira, 25, em evento realizado na secretária da educação.
 
As seleções são destinadas aos cargos de diretor de escola com oferta de 1.450 vagas e supervisor de ensino com 146 vagas. A intenção da pasta é contar com os novos servidores ainda neste ano letivo.
 
DIRETOR – O edital do novo concurso de diretor de escola, só será publicado após a aprovação do projeto de lei que estabelece mudanças no processo seletivo. De acordo com a secretária Bochixio, o projeto encontra-se no Palácio dos Bandeirantes que deverá enviar à Assembléia Legislativa para ser votado. “Tivemos que mudar alguns pontos do projeto, por uma solicitação da Fazenda, e enviamos novamente ao palácio”, explica.
 
Para o diretor da UDEMO (Sindicado de Especialistas de Educação do Magistério Oficial do Estado de São Paulo), Chico Poli, o projeto deve ser enviado em regime de urgência à Assembléia, devido necessidade de servidores. À seleção foi anunciado em agosto de 2013, pelo governador Geraldo Alckmin, mas até o momento não foi autorizada.
 
Com as mudanças propostas pelo projeto, os novos diretores aprovados na seleção deverão frequentar dois cursos de formação antes de atuar nas unidades de ensino, sendo esses nas áreas de liderança e gestão, com duração de seis meses. Após o curso, os diretores devem apresentar um plano de trabalho específico para a escola em que vão atuar.
 
Simultaneamente ao período de formação, o aprovado passa por um estágio probatório com duração de três anos, período em que os profissionais vão receber orientações sobre a função de gerenciamento de recursos humanos e estratégias de ensino. Após o estágio, todos os gestores passarão ainda por avaliações anuais feitas pelo conselho escolar. “É uma mudança inédita no país, e eu espeque que ocorra. É necessário qualificar esses professores para se tornarem gestores”, ressalta o secretário de Herman Jacobus Cornelis Voorwald.
 
O professor da rede estadual que conseguir aprovação no concurso e não passar no estágio probatório poderá voltar ao cargo de origem. “Este profissional ao passar por estas etapas estará de licença no cargo de professor, podendo voltar caso não passe na seleção de diretor”, explica o secretário de educação.
 
A remuneração para diretor é de R$3.154,21, para uma jornada de 40 horas semanais. Nas escolas que possuem o Programa de Ensino Integral a remuneração pode chegar a R$5.144,87. No entanto, o servidor deve optar por dedicação integral ao oficio de diretor de escola da rede estadual. O valor inclui as gratificações de representatividade, no valor de R$500, e gratificação de dedicação plena e integral, no valor de R$1.990,06. Como pré-requisitos há itens como licenciatura em Pedagogia, ou pós-graduação na área da Educação, além de ter no mínimo oito anos de experiência como efetivo no exercício do magistério. Não é preciso estar em atuação na rede estadual.
 
 
SUPERVISOR – Além das 146 vagas autorizadas para o concurso de supervisor, outras poderão ser preenchidas. Isso porque, a secretaria da educação enviou ao palácio um projeto de lei com a intenção de criar novas vagas, que devem ser preenchidas com os remanescentes deste concurso.
 
Os preparativos do concurso já iniciaram. Segundo a assessoria de imprensa do órgão, está em aberto uma licitação para escolher a organizadora que realizará o concurso. A seleção já conta com autorização do governador Geraldo Alckmin desde o último dia 4. A remuneração da categoria chega a R$ 3.530,92 em início de carreira, para uma jornada de 40 horas semanais, já inclusa a gratificação de representação, no valor de R$500.
 
Para concorrer é necessário possuir oito anos de magistério, sendo dois no exercício de cargo ou função de suporte pedagógico educacional ou de direção de órgãos técnicos. Poderão concorrer também quem tiver no mínimo dez anos de atuação como professor. Além disso, o candidato deve ter Licenciatura Plena em Pedagogia ou pós-graduação na área de educação (especialização, mestrado ou doutorado).
 
Entre as principais atribuições dos servidores estão acompanhar o funcionamento das escolas, identificar as necessidades das unidades escolares e, com isso, propor as melhorias necessárias. Além disso, o supervisor de ensino tem como tarefa informar as escolas sobre as orientações da Secretaria da Educação e outras atividades.
 
Atualmente a Secretaria de Educação conta com 1.585 supervisores de ensino em todo o estado. O interior do Estado possui 959 profissionais atuando em suas diretorias de ensino. A capital conta com 321 funcionários e a região da Grande São Paulo tem 305. A necessidade de renovação do quadro se deve a idade avançada de grande parte dos servidores da categoria. Do total de profissionais, 823 tem idade superior a 50 anos, o que representa mais da metade do número de profissionais.
  
O último concurso para supervisor foi realizado em 2008. Na ocasião a oferta foi de 372 vagas para um total de 24 mil inscritos. A seleção contou com provas objetivas e discursivas, realizadas no período da manhã e da tarde, respectivamente. Na ocasião a organizadora foi a Cetro Concursos.
 
CONTEÚDO – Os interessados em concorrer às seleções já podem consultar o conteúdo programático e as competências necessárias para cada uma das carreiras. O conteúdo pode ser conferido na Resolução nº 52 da Secretaria de Educação, publicada em agosto de 2013.
 
 
Fonte: Folha Dirigida

Outras Notícias