Central de Concursos
  • Por: Yuri Salso - Publicado em 25/02/2016 16h38 - Atualizado em 23/02/2017 09h20
Concurso Correios 2016Foto: Divulgação
 
O concurso público dos Correios (Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos - ECT), um dos mais aguardados em todo o Brasil, continua em compasso de espera. A expectativa é que o atual plano de demissões voluntárias da empresa abra as portas para uma nova seleção.
 

Histórico do concurso Correios 

 
Em 2016, a Federação Interestadual dos Sindicatos dos Trabalhadores e Trabalhadoras dos Correios (Findect) se reuniu com o novo presidente dos Correios, Guilherme Campos, para tratar sobre a realização do concurso público e outras reivindicações da categoria, como reestruturação da empresa, plano de saúde e entrega de correspondência matutina.
 
O presidente da Findect, José Aparecido Gandara, disse que se o novo presidente não resolver os problemas dos Correios, a empresa pode entrar em colapso. Ele também informou que a federação começará a definir um acordo coletivo de trabalho da categoria.
 
O processo que avalia a quantidade de vagas a serem ocupadas na empresa continua. A seleção que abriria 2 mil vagas para os cargos de carteiro e operador de triagem e transbordo (OTT) foi suspensa no dia 08 de outubro de 2015. 
 
Das oportunidades, 144 vagas de carteiro seriam destinadas ao Rio de Janeiro. As outras ofertas seriam distribuídas entre os Estados de São Paulo, Amazonas, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Paraná, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Distrito Federal e Santa Catarina
 

Entenda o caso

 
A paralisação dos preparativos aconteceu quando o Departamento de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (DEST) determinou que a ECT não ampliasse o seu quadro de pessoal, que deve ter no máximo 118.624 profissionais. No entanto, de acordo com a assessoria de imprensa dos Correios, atualmente a instituição conta com 118.220 empregados em seu quadro funcional. Ou seja, hoje a estatal pode contratar 404 funcionários - e este número pode aumentar, já que há servidores em processo de aposentadoria.
 
Uma das propostas analisadas pela empresa é a abertura de um processo seletivo com vagas para cadastro reserva. Dessa forma, assim que surgissem mais oportunidades, a ECT já poderia repô-las com os candidatos aprovados no concurso.
 

Defasagem de pessoal

 
Os Correios afirmam que o seu atual quadro não afeta a qualidade e a eficiência operacional. Apesar disso, sindicatos da categoria cobram a realização do concurso para que haja mais mão-de-obra e também para que sejam substituídos os profissionais terceirizados.
 
De acordo com o diretor do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios de Campinas e Região (Sintect/Cas), Mauro Aparecido Ramos, é necessário que seja aberto o mais rápido possível uma seleção. “Entre 2013 e 2014, por meio do processo de demissão voluntária, a ECT demitiu cerca de 7.000 funcionários em todo o país, sendo aproximadamente 400 na região de Campinas/SP", explicou o sindicalista, ao dizer que tais postos vagos ainda não foram preenchidos, pois o último concurso ocorreu em 2011.

Segundo informações da Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas dos Correios e Similares (Fentect), os Correios possuem uma defasagem de 20 mil funcionários. Com o argumento de que o déficit prejudica o serviço prestado à população, a Fentect reivindicou a realização de um novo concurso público.
 

Antes da suspensão do concurso 

 
Em 2015, a assessoria de imprensa divulgou que seriam abertas 2.000 vagas efetivas, além do cadastro reserva, em 11 Estados, incluindo São Paulo, mais o Distrito Federal. O edital apresentaria oportunidades para carteiro e operador de triagem e transbordo (OTT). Ambos os cargos exigem nível médio completo.
 
Os salários iniciais são de R$ 1.284 para OTT, já incluindo a gratificação. No caso do carteiro, os vencimentos correspondem a R$ 1.620,50, se acrescentado o adicional de distribuição. Fora as remunerações, os admitidos recebem vale-alimentação/refeição na quantia de R$ 971,96 a R$ 1.092,48. Acrescentando o valor máximo do benefício, o rendimento das carreiras chega a R$ 2.376,48, para operador, e a R$ 2.712,98 para carteiro.
 
Aos servidores ainda contam com os benefícios de vale-transporte, auxílio-creche ou auxílio babá, além de adicionais (de acordo com o Plano de Cargos, Carreiras e Salários) e a possibilidade de adesão ao Plano de Previdência Complementar.
 
As oportunidades do concurso Correios seriam distribuídas pelos Estados do Amazonas, Bahia, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Pernambuco, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo, além do Distrito Federal. Não seriam disponibilizadas vagas nos demais Estados do país porque a empresa ainda possui cadastro reserva vigente do processo seletivo realizado em 2011 em tais localidades.
 
Os candidatos que se inscrevessem no concurso fariam provas de conhecimentos e, se aprovados, seriam submetidos também a um teste de esforço.
 

Benefícios oferecidos pelos Correios

 
No site da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos há informações detalhadas sobre os benefícios que são oferecidos aos funcionários. Confira abaixo:
 
Plano de saúde: mais de 60 ambulatórios próprios para atendimento médico, odontológico e de enfermagem, gratuito.
 
Reembolso-creche/Reembolso-babá (R$ 360,20/mês): destinado às mães com filhos de até 7 anos.
 
Auxílio especial (R$ 571,74/mês): Destinado aos empregados com filhos portadores de necessidades especiais devidamente comprovadas e avaliados pelo serviço médico dos Correios.
 
Vale-transporte: conforme legislação, o primeiro fornecimento será feito mediante reembolso na folha de pagamento e, após isso, o benefício será concedido em cartão eletrônico, vale em papel ou outro meio utilizado pelo fornecedor. Compartilhamento é de 6% do salário-base proporcional aos dias úteis do mês.
 
Previdência - POSTALIS: É o instituto de previdência dos empregados dos Correios que visa complementar os benefícios assegurados pela previdência oficial.
 
Adicional noturno: empregados com jornada normal noturna, mista ou extraordinária recebem adicional noturno de 60% sobre o valor da hora diurna e em relação ao salário-base (a lei prevê até 20%).
 
Horas-extras: os Correios pagam 70% sobre o valor da hora normal, 20% a mais do que o exigido pela CLT.
 
Trabalho nos fins de semana: empregados da área operacional com carga de 44 horas semanais, que trabalham regularmente nos finais de semana, recebem um valor complementar de 15% do salário-base. Qualquer empregado, independentemente de sua área de lotação, quando convocado, tem direito a esse adicional proporcional ao fim de semana trabalhado.
 
Anuênios: 1% sobre o salário-base por ano de serviço prestado. Esse valor é aplicado também sobre a gratificação de função, ou complemento de remuneração singular.
 
Diferencial de mercado: valor variável e temporário, pago para compatibilizar níveis de salários dos Correios com os praticados no mercado.
 
Adicional de atividade: valor pago aos empregados do cargo de agente de Correios, que atuam diretamente nas atividades-fim da empresa, tanto na distribuição domiciliar quanto no tratamento de objetos postais e também no atendimento em guichês.
 

Último concurso Correios

 
Os Correios lançaram, em 2011, um edital com 9.190 oportunidades distribuídas entre as carreiras de carteiro, atendente, operador de triagem e transbordo, analista de correios, médico do trabalho, auxiliar de enfermagem do trabalho, técnico em segurança do trabalho, analista de saúde, engenheiro de segurança do trabalho e enfermeiro do trabalho.
 
As vagas foram lotadas em todos os Estados brasileiros e as remunerações iniciais oscilaram entre R$ 1.003,57 e R$ 3.211,58, sem incluir os benefícios oferecidos pela instituição.
 
Organizado pelo Cespe/UnB, este processo seletivo dos Correios constoude provas objetivas compostas de 120 questões, sendo 50 de conhecimentos básicos - divididas nos temas de língua portuguesa, inglês (para alguns cargos), informática e administração pública – e 70 de conhecimentos específicos.
blog

Outras Notícias